Conservatório Nacional de Lisboa, Portugal

Anne Kaasa

Pianista norueguesa, radicada em Portugal, Anne Kaasa é caracterizada pela revista musical francesa Le Monde de la Musique como “uma pianista que se destaca no abundante mundo de solistas pela profundidade das suas interpretações, pela fluidez do seu discurso musical e pela delicadeza do seu toucher”.

Anne Kaasa estudou no Conservatório de Trondheim, e depois com o pianista Edson Elias em Paris, como bolseira do estado francês. Recebeu ainda orientação do pianista Vladimir Viardo. É professora de piano no Conservatório Nacional de Lisboa. A sua actividade de solista levou-a a tocar em salas como Wigmore Hall (Londres), Grande Auditório da Fundação Gulbenkian, Grande Auditório de CCB (Lisboa), Auditorio Nacional (Madrid), Ateneu Romano (Bucareste), Palácio Sheremetev (S. Petersburgo), Bartók Memorial, Museu Liszt (Budapest) Gamle Logen (Oslo), Troldhaugen Grieg Museum (Bergen) e em festivais internacionais como Ljubliana Festival, Nuits pianistiques de Aix-en-ProvenceFestival de MaputoVestfold FestspilleneFestival da Costa do EstorilFestival da MadeiraFestival de Coimbra e Dias de Música no CCB.

Apresentou-se como solista com orquestras entre as quais a Orquestra GulbenkianOrquestra de la Comunidad de MadridOrquestra Sinfónica PortuguesaOrquestra Nacional do PortoFilarmónica de Baden-BadenOrquestra de CraiowaOrquestra de GranadaOrquestra de TimisoaraSinfonieta de LisboaOrquestra de Câmara de FlorençaOrquestra de câmara de Flandres e Orquestra Sinfónica de Moldavia, em colaboração com maestros como José Ramón Encinar, Laurent Petitgirard, Dirk Vermeulen, Yu Feng, Marc Tardue, Georgi Costin, Flávio Chamis, Johannes Willig, Cesário Costa, Vasco Pearce Azevedo, Ernst Schelle e Valentin Doni.

Colaborou em música de câmara com, entre muitos outros, os violoncelistas Truls Mørk e Maria José Falcão e os violinistas Aníbal Lima, Arve Tellefsen e Ragnhild Hemsing. Integra o Trio Tagus com o violinista Stefan Schreiber e o violoncelista Marco Pereira.

O repertório de Anne Kaasa estende-se de Bach aos Contemporâneos. Trabalhou com muitos compositores actuais e estreou várias obras dos mesmos, entre os quais: António Pinho Vargas, Philippe Fénelon, Clotilde Rosa, Sérgio Azevedo, Amilcar Vasques Dias, Daniel Schwetz, Pedro Faria Gomes, Martin Romberg e Kjell Mørk Karlsen. Com a Orquestra Gulbenkian e o Maestro José Ramon Encinar fez, em 2002, a estreia absoluta do Concerto nº 2 para piano e orquestra do compositor francês Philippe Fénelon, que lhe foi dedicado. Em 2004 fez a estreia de “…von fremden ländler…” para piano solo e orquestra de António Pinho Vargas, com a Orquestra Gulbenkian e o Maestro Yu Feng.

Anne Kaasa gravou para rádios nacionais em França, Espanha, Eslovénia, Italia, Moldávia, Noruega e Portugal. Gravou a integral das sonatas de Grieg para violino e piano com o violinista Aníbal Lima para EMI Classics. As suas gravações a solo de obras de Grieg e Ravel para as editoras Grave e Saphir foram muito elogiadas pela crítica musical (como Le Monde de la Musique e Repértoire em ParisLa Stampa, em Roma e Aftenposten em Oslo). Na área da música contemporânea gravou obras de Clotilde Rosa para MISO Records e La má de Guido. O seu CD Debussy (2011), gravado em Paris para Saphir, recebeu também excelentes críticas na imprensa musical francesa e na Radio France, inclusive a distinção de 5 Diapasons na prestigiada revista Diapason.